quinta-feira, novembro 22

Antes do Tango....


…/…

Soube que se ia envolver com ela. Soube desde sempre. Teve a certeza quando a viu a atravessar a estrada por entre os carros e pela forma como ela se aninhou no abraço que deram.

Apresentou-a ao colega de trabalho como uma amiga de longa data e seguiram juntos até à outra ponta da cidade.

Sentia a respiração e o sussurar baixinho dela junto à nuca enquanto conduzia frenetica por entre o trânsito de veraneantes.

- Vamos chegar atrasados ao ensaio geral por tua culpa! – Disse-lhe a sorrir matreira pelo espelho.
- Como vos posso compensar? – Prometia ela enquanto alisava o cabelo loiro.
- Por mim pagas uma jola a seguir ao espectáculo. Vens connosco para Lisboa? – Perguntou inocente o colega.
- Mauuu queres festa tu! A corisca fica! Não pode ir connosco.
- Posso, posso! Não queres que eu vá? – deitou-lhe uma mirada suspeita pelo retrovisor.

Aproveitou e desviou conversa para outro lado enquanto resmungava na procura de um lugar para estacionar.

Fez questão de assistir ao ensaio. Do meio do nada e em frente aos músicos e bailarinos pediu-lhe que lhe ajeitasse a blusa nas costas. Pelo decote via-se o soutien? Ajuda-me!

Sentiu a pele dela a reagir ao toque e soube-lhe bem.

Ao jantar, os tornozelos de ambas dançaram. Segredo velado da tolha da mesa.
As bocas esqueceram-se de se alimentar e foram os olhos que comeram e se beijaram por entre o arroz de marisco, o vinho branco e a rodela de ananás.

Entrou com ela pela porta de acesso aos camarins e levou-a tranquila até à cabine de som.
- Ficas aqui comigo ou preferes ver o espectáculo na plateia?
- Prefiro ver-te a trabalhar.
- Não me podes distrair, tenho que estar concentrada em tudo.
- Prometo que não abro a boca.


Não são só as palavras que desconcentram. Os ombros nús. As costas bronzeadas. O perfume que exalava. Detinha-se, sem olhar sequer para ela, a passear o dedo pelo ombro deixando-o escorregar até ao cotovelo e subindo de novo tão lentamente, quanto o cantar demorado da artista em palco.


Distraída com os efeitos das luzes, virou-se e beijou-a. E voltou de novo a beija-la uma e outra vez, sempre que o ritmo do espectáculo permitia.


Perto do fim, afastaram-se das cadeiras e da mesa de controle. Encostadas de pé, junto à porta da minuscula cabine de som devoraram-se e os aplausos finais na sala ritmaram o prazer de ambas.


…/…


Nota: Não te atrevas a pedir mais!

4 comentários:

Special K disse...

Que belo conto que tu tens aqui, ainda por cima bem acompanhado por uma musiquinha bem romântica.
beijocas

Garamond disse...

floquinho... nao me canso de ouvir a musica!
Mas agora confesso q tava a olhar para a foto... a mulher tem tanta sinaletica nas costas... ui...
são ilhas e ilhas para visitar... tou fascinada!

Adoro ilhas destas... uma pessoa perde-se!

beijos

Gar

DUCA disse...

Elecas, gostei! Ia pedir-te mais, mas não me atrevo! ;)

Beijo

Garamond disse...

Duca, tu podes pedir! Loool

Pronto eu mostro-te o tango!

:p